Restaurar florestas tropicais não é significativo se essas florestas durarem apenas 10 ou 20 anos

     

As florestas tropicais em todo o mundo estão sendo perdidas a uma taxa de 61.000 milhas quadradas por ano. E apesar dos esforços de conservação, a taxa global de perda está se acelerando. Em 2016, atingiu uma alta de 15 anos, com 114.000 milhas quadradas desmatadas. Ao mesmo tempo, muitos países prometem restaurar grandes áreas de florestas. O Bonn Challenge, uma iniciativa global lançada em 2011, exige compromissos nacionais para restaurar 580.000 milhas quadradas das terras desmatadas e degradadas do mundo até 2020. Em 2014, a Declaração de Nova York sobre Florestas aumentou essa meta para 1,35 milhões de milhas quadradas, uma área sobre duas vezes o tamanho do Alasca, em 2030. A restauração ecológica é um processo de recuperação de ecossistemas danificados. Ela produz muitos benefícios para a vida selvagem e para as pessoas – por exemplo, melhor habitat, controle da erosão, água potável e empregos.        

É por isso que o Bonn Challenge é tão emocionante para geógrafos e ecologistas como nós. Ele traz a restauração para o centro das discussões globais sobre o combate às mudanças climáticas, prevenindo a extinção de espécies e melhorando a vida dos agricultores. Ele conecta governos, organizações, empresas e comunidades e está catalisando investimentos substanciais em restauração florestal. No entanto, um olhar mais atento mostra que ainda falta uma luta para realizar plenamente a visão do Desafio de Bonn. Alguns esforços de reflorestamento fornecem apenas benefícios limitados, e estudos mostraram que a manutenção dessas florestas por décadas é fundamental para maximizar os benefícios econômicos e ecológicos de estabelecê-los.

Colocando árvores de volta na terra 

Até agora, 48 nações e 10 estados e empresas assumiram compromissos com o Bonn Challenge para restaurar 363.000 milhas quadradas até 2020 e outras 294.000 milhas quadradas até 2030. Os Estados Unidos e uma província paquistanesa já cumpriram seus compromissos, restaurando um total de 67.000 milhas quadradas. Restaurar florestas representa desafios políticos e econômicos para os governos nacionais. Deixar as florestas voltarem inevitavelmente significa retirar terras da agricultura. A regeneração natural da floresta ocorre principalmente onde os agricultores abandonaram terras de baixa qualidade, ou onde os governos desencorajam práticas agrícolas pobres – por exemplo, perto de zonas húmidas ou em encostas íngremes. Oportunidades de regeneração natural em outros lugares são limitadas.          

Como resultado, grande parte da restauração da paisagem florestal no âmbito do Desafio de Bonn se concentra na melhoria das paisagens existentes usando árvores. As atividades de restauração podem incluir a criação de madeira ou plantações de frutas; agrossilvicultura, ou plantar fileiras de árvores dentro e ao redor de campos agrícolas; e silvicultura, ou melhorar a condição de florestas degradadas. Um dos primeiros sucessos, o “Tsunami da Árvore dos Bilhões” na província de Khyber Pakhtunkhwa, no Paquistão, superou sua promessa de 350.000 hectares através de uma combinação de proteção da regeneração da floresta e plantio de árvores. Da mesma forma, Ruanda restaurou 700.000 dos 2 milhões de hectares que prometeu, principalmente através de sistemas agroflorestais e reflorestamento de áreas propensas à erosão, e criou milhares de empregos verdes.

Desertos verdes         

No entanto, essas “florestas restauradas” são frequentemente substitutos pobres para o habitat natural. Para animais que vivem em florestas tropicais, agroflorestas e plantações de árvores podem parecer mais desertos verdes do que florestas.
Muitas espécies de fauna silvestre tropical são encontradas apenas em florestas tropicais maduras e não podem sobreviver em agroflorestas abertas, monoculturas de árvores ou regeneração natural jovem. Restaurar verdadeiramente o habitat da floresta tropical requer uma diversidade de espécies florestais e tempo. No entanto, essas “florestas” de trabalho têm valor ecológico para algumas espécies e podem poupar florestas naturais remanescentes de machados, fogo e arados. Além disso, cientistas estimaram que as florestas restauradas poderiam sequestrar até 16% do carbono necessário para limitar o aquecimento global a menos de 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais, gerando cerca de US $ 84 bilhões em ativos como madeira e controle da erosão.

Restaurado, mas por quanto tempo?

Os benefícios para a vida selvagem e o clima da Terra a partir da restauração florestal acumulam-se ao longo de décadas. No entanto, é improvável que muitas florestas permaneçam protegidas por tanto tempo. Em um estudo de 2018, mostramos que as florestas que se regeneraram naturalmente na Costa Rica entre 1947 e 2014 tinham apenas 50% de chance de durar 20 anos. A maioria dos lugares onde as florestas foram novamente removidas para agricultura. Vinte anos representam cerca de um quarto do tempo necessário para os estoques de carbono florestal se recuperarem completamente, e menos de um quinto do tempo necessário para o retorno de muitas plantas e animais que habitam a floresta. Infelizmente, 20 anos podem ser mais do que a maioria das novas florestas conseguem. Estudos no Brasil e no Peru mostram que a regeneração de florestas é redefinida ainda mais rapidamente, muitas vezes depois de alguns anos.

Esse problema não está limitado a florestas naturais. Agroforestas em todo o mundo estão sob pressão. Por exemplo, até décadas mais recentes, os cafeicultores e produtores de cacau nos trópicos cultivavam suas plantações em agroflorestas sob uma sombra de árvores, o que imitava a forma como essas plantas crescem na natureza e maximizam sua saúde. Hoje, no entanto, muitos deles cultivam suas plantações ao sol. Este método pode melhorar o rendimento, mas requer pesticidas e fertilizantes para compensar o estresse adicional nas plantas. E, embora as plantações de madeira sequestram carbono adicional a cada colheita e replantio, o seu replantio depende da mudança da demanda do mercado por madeira. Uma vez colhidas após seis a 14 anos de crescimento, as plantações de madeira tropical podem ser abandonadas como um mau investimento e substituídas por plantações em maior escala ou pastagens. 

Fundações sólidas para recuperação 

Se o Desafio de Bonn é para alcançar seus objetivos, as nações terão que encontrar maneiras de converter as promessas de restauração de curto prazo em recuperação de longo prazo do ecossistema. Isso pode exigir o aperto das regras.       Alguns países se comprometeram a proteger áreas exageradamente grandes. Por exemplo, Ruanda comprometeu-se a restaurar 77% de seu território nacional, e a Costa Rica e a Nicarágua se comprometeram a restaurar 20% de seus territórios cada um. Outra falha é que o Desafio de Bonn não impede que os países desmatem algumas áreas, mesmo quando estão restaurando outras.  Será impossível acompanhar o progresso geral sem um compromisso internacional para monitorar e sustentar os sucessos da restauração. Organizações internacionais precisam investir em redes de monitoramento via satélite e locais. Também acreditamos que eles devem considerar como grandes investimentos internacionais em setores como agricultura, mineração e infraestrutura impulsionam a perda e a regeneração florestal.

Países como a Indonésia, que podem estar considerando uma promessa do Bonn Challenge, devem ser encorajados a se concentrarem em impactos de longo prazo. Em vez de restaurar 10.000 milhas quadradas de floresta com um ano de idade até 2020, por que não restaurar 5.000 milhas quadradas de florestas de 100 anos até 2120? Países como a Costa Rica, que já se comprometeram, podem garantir esses ganhos, protegendo as florestas renovadas. A Assembléia Geral das Nações Unidas aprovou recentemente uma resolução designando 2021 a 2030 como a Década de Restauração de Ecossistemas da ONU. Esperamos que este passo ajude a motivar as nações a manter suas promessas e investir na restauração dos ecossistemas desmatados e degradados da Terra.

Do original: “Restoring tropical forests isn’t meaningful if those forests only stand for 10 or 20 years”, de autoria de: Matthew Fagan, Leighton Reid, Margaret Buck Holland. Clique aqui para ler o original em inglês. Tradução: Reynier Omena Junior

Se voce gostou deste post, por favor curta e compartilhe!

 


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhar