Elaboração de Plano de Recuperação de Área Degradada, em Manaus AM

Birding Soluções Ambientais sediada em Manaus AM, presta serviço de assessoria e consultoria ambiental na elaboração de Plano de Recuperação de Área Degradada. Esse Plano descreve as condições ambientais antes de se iniciarem as atividades, sendo a base para determinação de impactos e da recuperação da área afetada. O PRAD é um Estudo Ambiental que contém uma série de programas e ações que permitem minimizar o impacto ambiental causado por uma determinada atividade ou empreendimento. Refere-se ao conjunto de medidas que propiciarão à área degradada condições de estabelecer um novo equilíbrio dinâmico, com solo apto para uso futuro e paisagem esteticamente harmoniosa, e tem por objetivo o retorno da área degradada a uma forma de utilização, de acordo com um plano preestabelecido para o uso do solo, visando à obtenção de uma estabilidade ambiental e ecológica. É um importante instrumento de gestão ambiental para atividades que envolvem desmatamentos, terraplenagem, exploração de jazidas, exploração de empréstimos e bota-foras, recuperação de APP (Área de Preservação Permanente) e de RL (Reserva Legal).

O PRAD objetiva a restauração de área degradada

O PRAD, Plano de Recuperação de Área Degradada é um Programa de restauração de áreas degradadas e é solicitado pelo órgão ambiental licenciador como parte integrante do processo de licenciamento de atividades degradadoras ou modificadoras do meio ambiente ou após o empreendimento ser punido administrativamente por causar degradação ambiental. Veja aqui as principais vantagens de um Programa de Restauração Florestal: Reintrodução de espécies extintas localmente por meio do plantio de mudas nativas; conservação da biodiversidade local; manutenção de serviços ambientais com base na conservação de recursos, como água, solo e clima; combate ao aquecimento global, pois árvores absorvem carbono durante seu crescimento; sensibilização da sociedade sobre a importância da recomposição florestal e geração de empregos diretos, entre reflorestadores, viveiristas e técnicos em educação e mobilização, com a capacitação mão de obra local para o preenchimento dessas vagas.

O PRAD tem por fim a reabilitação e a Restauração Florestal

Embora objetive a reabilitação e a Restauração Florestal e do solo, o PRAD pode contemplar também, direta e indiretamente, a reabilitação ambiental da água, do ar, da fauna e do ser humano. O desenvolvimento de um Plano de Recuperação de Área Degradada, basicamente, requer as seguintes atividades: (a) Inspeção ambiental da área a ser reabilitada; (b) Documentação fotográfica dos itens de passivo identificados; (c) Identificação dos processos de transformação ambiental que deram origem aos itens de passivo identificados; e) Caracterização ambiental dos itens de passivo e de seus processos causadores; (f) Hierarquização dos itens de passivo, em termos de sua representatividade, assim como de seus processos causadores; (g) Estabelecimento de medidas corretivas e preventivas para cumprir com as necessidades de reabilitação ambiental da área.

O PRAD promove a recuperação da área degradada

O Plano de Recuperação de Área Degradada é realizado em propriedades rurais, empresas que exploram recursos naturais, chácaras e fazendas que necessitam manter e/ou recuperar áreas de vegetação seja em APP (Área de Preservação Permanente) ou em Reserva Legal. Ele também pode ser utilizado em casos de recuperação ambiental de rios, córregos e nascentes. As leis 4771/34 (Código Florestal) e 9985/00 (SNUC) são base para elaboração deste estudo. O PRAD depois de pronto e em funcionamento, pode ser objeto de monitoramento mensal ou bimensal para se avaliar em que estágio de maturação suas plantas ou árvores estão se no estágio inicial, médio, avançado ou de floresta Primitiva, a partir do registro das espécies indicadoras, presença ou ausência, riqueza e abundância, nicho, macro e micro habitat entre outros.

Monitoramento do PRAD

Se sua empresa já possui um Programa de restauração Florestal em andamento com a floresta em restauração, nós podemos ajudá-lo no monitoramento do PRAD a partir de levantamentos biológicos usando aves e/ou mamíferos como bioindicadores, de maneira que a ausência ou a presença destas espécies vai indicar o status de conservação do estágio sucessional da floresta em recuperação.

“Os animais podem ser usados como indicadores, pois, através da observação da diversidade e composição das espécies, da estrutura de suas comunidades e do relacionamento entre a estrutura da comunidade e o restabelecimento das funções ecológicas, é possível determinar o grau de conservação, de degradação ou estágio de recuperação ambiental. As aves podem indicar processo de sucessão e da paisagem, porque suas comunidades se modificam de acordo com padrões na estrutura da vegetação, reagindo positivamente ou negativamente a estas modificações. Ja o mamíferos de médio e grande porte são potenciais indicadores da diversidade de um ecossistema e da estrutura de paisagem devido ao seu papel na dispersão de sementes e à predação (controlando populações vegetais e de herbívoros)”. *

O Plano de Recuperação de Área Degradada pode demandar também um diagnóstico e um prognóstico através de inventário da Fauna, Levantamento da Flora, pode incluir também o monitoramento de espécies bioindicadores de qualidade ambiental, entre outros.

Nossa equipe baseada em Manaus, no Amazonas, pode elaborar o PRAD que sua empresa precisa. Por favor, entre em contato através do site.

*Fonte: BERNARDO, Gabriele; HIGUCHi, Francisco; LIMA, Sheila; OLIVEIRA, Maria e AMARAL, Márcio Rogério. 2016. IV Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia da Associação Nacional Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Manaus. Universidade Federal do Amazonas. De 19 a 22 de setembro.

Compartilhar